Trabalho remoto e estrutura organizacional: estudo do caso do Ministério Público de Alagoas

Authors

  • Antonio Miguel Barros Tenório Varjão dos Santos
  • Luciana Peixoto Santa Rita
  • Jovino Pinto Filho
  • Ibsen Mateus Bittencourt

DOI:

https://doi.org/10.55905/ijsmtv9n4-004

Keywords:

trabalho remoto, estrutura organizacional, ministério público

Abstract

Esta pesquisa tem o objetivo de analisar se as características da estrutura organizacional do Ministério Público de Alagoas – MPAL são adequadas para a implementação do trabalho remoto dos analistas jurídicos lotados em Promotorias de Justiça da Capital. A pesquisa é de natureza aplicada, com objetivos descritivos e, do ponto de vista procedimental, caracteriza-se como um estudo de caso. Para coleta de dados, se analisou documentos legislativos e administrativos e se entrevistou analistas jurídicos lotados em Promotorias de Justiça de Maceió e seus chefes imediatos. Como resultados, se constatou que a estrutura organizacional do MPAL pode ser classificada como uma burocracia profissional; as Promotorias de Justiça não apresentam especialização interna do trabalho, podendo ser caracterizadas como estruturas simples, que têm como parte chave a cúpula estratégica representada pelo Promotor de Justiça; e que a estrutura organizacional é favorável ao trabalho remoto dos analistas jurídicos, sendo, contudo, necessário, antes de regulamentar o trabalho remoto, implantar um serviço de triagem, encaminhamento e atendimento ao cidadão para atender, sobretudo, os excluídos digitais.

References

Bernardino, A. F., Carneiro, J. D. S., Roglio, K. D. D., & Kato, H. T. (2009, junho 21-23). Teletrabalho e gestão de recursos humanos: análise em uma organização de tecnologia da informação. II Encontro de Administração da Informação, Recife, PE, Brasil.

Boni, V.; & Quaresma, S. J. (2005). Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Em tese, 2(1), 68-80.

Boonen, E. M. As várias faces do teletrabalho. (2002). Revista Economia & Gestão, 2(4-5), 106-127.

Brasil. Conselho Nacional do Ministério Público. Resolução n. 157, de 31 de janeiro de 2017. Regulamenta o teletrabalho no âmbito do Ministério Público e do Conselho Nacional do Ministério Público e dá outras providências.

Brasil. Conselho Nacional do Ministério Público. Resolução n. 205, de 18 de dezembro de 2019. Dispõe sobre a Política Nacional de Atendimento ao Público no âmbito do Ministério Público e dá outras providências.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil, de 05 de outubro de 1988.

Brasil. Lei n. 8.625, de 12 de fevereiro de 1993. Institui a Lei Orgânica Nacional do Ministério Público, dispõe sobre normas gerais para a organização do Ministério Público dos Estados e dá outras providências.

Brasil. Ministério Público da União. Portaria n. 110, de 11 de dezembro de 2015. Dispõe sobre a realização de teletrabalho a título de experiência-piloto no âmbito do Ministério Público da União.

Brown, C., Smith, P. R., Arduengo, N., & Taylor, M. (2016). Trusting Telework in the Federal Government. The Qualitative Report, 21(1), 87-101. https://doi.org/10.46743/2160-3715/2016.2466.

Brocklehurst, M. (1989). Combining a career with childcare: is wew technology homeworking the way forward?. Women in Management Review, 4(4). DOI: 10.1108/09649428910131977

Chong, S., Huang, Y., & Chang, C.-H. D. (2020). Supporting interdependent telework employees: A moderated-mediation model linking daily COVID-19 task setbacks to next-day work withdrawal. Journal of Applied Psychology, 105(12), 1408–1422. DOI: 10.1037/apl0000843.

Costa, I. de S. A. da. (2007). Teletrabalho: subjugação e construção de subjetividades. Revista de Administração Pública, 41(1), 105-124. DOI: 10.1590/S0034-76122007000100007

De Masi, D. (2001). O futuro do trabalho: fadiga e ócio na sociedade pós-industrial. Rio de Janeiro/Brasília: José Olympio/UNB.

Desanctis, G. (1984). Attitudes toward telecommuting: Implications for work-at-home programs. Information & Management, 7(3), 133-139. DOI: 10.1016/0378-7206(84)90041-7

Dolce, V., Vayre, E., Molino, M., & Ghislieri, C. (2020). Far Away, So Close? The Role of Destructive Leadership in the Job Demands–Resources and Recovery Model in Emergency Telework. Social Sciences, 9(11), 196. DOI: 10.3390/socsci9110196.

Estado de Alagoas. Constituição do Estado de Alagoas, de 5 de outubro de 1989.

Estado de Alagoas. Lei Complementar n. 15, de 22 de novembro de 1996. Dispõe sobre a organização, as atribuições e o Estatuto do Ministério Público de Alagoas.

Estado de Alagoas. Lei Complementar n. 34, de 26 de julho de 2012. Cria, no âmbito do Ministério Público do Estado de Alagoas, a Ouvidoria, as Subprocuradorias-Gerais, a Assessoria de Planejamento e Gestão Estratégica, a Assessoria Especial, as Coordenadorias Regionais e dá outras providências.

Estado de Alagoas. Lei n. 6.306, de 12 de abril de 2002. Dispõe sobre a organização administrativa do Ministério Público do Estado de Alagoas e dá outras providências.

Estado de Alagoas. Ministério Público do Estado de Alagoas. Portaria PGJ n. 916, de 14 de agosto de 2017. Instituiu comissão para promover os estudos e elaborar a política interna de regime de trabalho remoto.

Estado de Alagoas. Ministério Público do Estado de Alagoas. Resolução CPJ n. 07, de 10 de agosto de 2018. Institui o Regimento Interno da Ouvidoria do Ministério Público do Estado de Alagoas.

Estado de Alagoas. Ministério Público do Estado de Alagoas. Resolução CPJ n. 13, de 27 de outubro de 2021. Dispõe sobre as atribuições das Promotorias de Justiça da Capital.

Fraser, M. T. D., & Gondim, S. M. G. Da fala do outro ao texto negociado: discussões sobre a entrevista na pesquisa qualitativa. Paidéia, 14, 139-152, 2004. DOI: 10.1590/S0103-863X2004000200004.

Freitas, S. R. (2008). Teletrabalho na administração pública federal: uma análise do potencial de implantação na diretoria de marcas do INPI. [Tese de Doutorado, Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Fundação Getúlio Vargas]. Repositório Digital da Fundação Getúlio Vargas. http://hdl.handle.net/10438/3522.

Gálvez, A., Tirado, F., & Martínez, M. J. (2020). Work–Life Balance, Organizations and Social Sustainability: Analyzing Female Telework in Spain. Sustainability, 12(9), 3567. DOI: 10.3390/su12093567.

Gaspar, M. A., Porto Bellini, C. G., Donaire, D., Dos Santos, S. A., & Araújo Mello, A. A. (2014). Teletrabalho no desenvolvimento de sistemas: um estudo sobre o perfil dos teletrabalhadores do conhecimento. Revista Ciências Administrativas, 17(3). Recuperado de https://ojs.unifor.br/rca/article/view/3301.

Góes, G. S., Martins, F. dos S., & Nascimento, J. A. S. (2020). O teletrabalho no setor público e privado na pandemia: potencial versus evolução e desagregação do efetivo. Carta de Conjuntura (IPEA), (48).

Goulart, J. O. (2009). Teletrabalho: Alternativa de trabalho flexível. Brasília: Senac.

Harkness, R. C. (1977). Selected results from a technology assessment of telecommunication-transportation interactions. Habitat Internacional, 2(1–2), 37-48. DOI: 10.1016/0197-3975(77)90039-X.

Haubrich, D. B., & Froehlich, C. (2020). Benefícios e Desafios do Home Office em Empresas de Tecnologia da Informação. Revista Gestão & Conexões, 9(1), 167–184. DOI: 10.13071/regec.2317-5087.2020.9.1.27901.167-184.

Hill, E. J., Hawkins, A. J., & Miller, B. C. (1996). Work and family in the virtual office: Perceived influences of mobile telework. Family Relations: An Interdisciplinary Journal of Applied Family Studies, 45(3), 293–301. DOI: 10.2307/585501.

Kaplan, S., Engelsted, L., Lei, X., & Lockwood, K. (2018). Unpackaging manager mistrust in allowing telework: Comparing and integrating theoretical perspectives. Journal of Business and Psychology, 33(3), 365–38. DOI: 10.1007/s10869-017-9498-5

Kazekami, S. (2020). Mechanisms to improve labor productivity by performing telework. Telecommunications Policy, 44(2), 101868. DOI: 10.1016/j.telpol.2019.101868.

Losekann, R. G. C. B. & Mourão, H. C. (2020). Desafios do teletrabalho na pandemia COVID-19: quando o home vira office. Caderno de Administração, 28, 71-75. DOI: 10.4025/cadadm.v28i0.53637.

Machado-da-Silva, C. L., Vieira, M. M. F., & Dellagnelo, E. H. L. (2014). Ciclo de Vida, Controle e Tecnologia: um modelo para análise das organizações. Organizações & Sociedade, 5(11). DOI: 10.1590/S1984-92301998000100002.

Mann, S., Varey, R., & Button, W. (2000). An exploration of the emotional impact of tele-working via computer-mediated communication. Journal of Managerial Psychology, 15(7-8), 668–686. DOI: 10.1108/02683940010378054.

Masuda, A. D., Holtschlag, C., & Nicklin, J. M. (2017). Why the availability of telecommuting matters: The effects of telecommuting on engagement via goal pursuit. The Career Development International, 22(2), 200–219. DOI: 10.1108/CDI-05-2016-0064.

Mazzilli, H. N. (1989). O Ministério Público na Constituição de 1988. Editora Saraiva.

Mazzilli, H. N. (1995). Os limites da independência funcional no Ministério Público. Revista dos Tribunais, 84(715).

Mintzberg, H. (1995). Criando organizações eficazes: estruturas em cinco configurações. São Paulo: Atlas.

Moreira, R. A. (2014). A independência funcional dos membros do Ministério Público. Direito UNIFACS – Debate Virtual, (169).

Nogueira, A. M., & Patini, A. C. (2012). Trabalho remoto e desafios dos gestores. INMR - Innovation & Management Review, 9(4), 121-152.

Nilles, J.M., Carlson, F.R., Gray, P., & Hanneman, G. (1976). Telecommuting - An Alternative to Urban Transportation Congestion. IEEE Transactions on Systems, Man, and Cybernetics, SMC-6, 77-84. DOI: 10.1109/TSMC.1976.5409177.

Pratt, J.H. (1984). Home teleworking: A study of its pioneers. Technological Forecasting and Social Change, 25, 1-14. DOI: 10.1016/0040-1625(84)90076-3.

Prodanov, C. C., & Freitas, E. C. (2013). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Novo Hamburgo: Feevale.

Rodrigues, A. C. B. (2011). Teletrabalho: a tecnologia transformando as relações de trabalho. [Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo]. Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. https://www.doi.org/10.11606/D.2.2011.tde-14062012-112439.

Rosenfield, C. L.; Alves, D. A. de. (2011). Autonomia e trabalho informacional: o teletrabalho. Dados, 54(1), 207-233. DOI: 10.1590/S0011-52582011000100006.

Salomon, I., & Salomon, M. (1984). Telecommuting: The employee's perspective. Technological Forecasting and Social Change, 25, 15-28. DOI: 10.1016/0040-1625(84)90077-5.

Sakuda, L. O., & Vasconcelos, F. de C. (2014). Teletrabalho, desafios e perspectivas. Organizações & Sociedade, 12(33).

Sobral, F., & Peci, A. (2013). Administração: teoria e prática no contexto brasileiro. (2ª ed.) São Paulo: Pearson.

Song, Y., & Gao, J. (2020). Does telework stress employees out? A study on working at home and subjective well-being for wage/salary workers. Journal of Happiness Studies: An Interdisciplinary Forum on Subjective Well-Being, 21(7), 2649–2668. DOI: 10.1007/s10902-019-00196-6.

Steil, A. V., & Barcia, R. M. (2001). Um modelo para análise da prontidão organizacional para implantar o teletrabalho. RAUSP Management Journal, 36(1), 74-84.

Teixeira, F. D. (2004). Princípios constitucionais do Ministério Público. Revista Brasileira de Ciências Criminais, 12(49), 291-315.

Tietze, S. (2005). Discourse as strategic coping resource: managing the interface between “home” and “work”. Journal of Organization change management, 18(1), 48-62. DOI: 10.1108/09534810510579841.

Tremblay, D. (2002). Organização e satisfação no contexto do teletrabalho. Revista de Administração de Empresas, 42(3), 54-65. DOI: 10.1590/S0034-75902002000300006.

Vega, R. P., Anderson, A. J., & Kaplan, S. A. (2015). A within-person examination of the effects of telework. Journal of Business and Psychology, 30(2), 313–323. DOI: 10.1007/s10869-014-9359-4.

Yap, C., & Tng, H. (1990). Factors associated with attitudes towards telecommuting. Inf. Manag., 19, 227-235. DOI: 10.1016/0378-7206(90)90032-D.

Yin, R. K. (2005). Estudo de Caso: planejamento e métodos (3. ed.). Porto Alegre: Bookman.

Zhang, S., Moeckel, R., Moreno, A.T., Shuai, B., & Gao, J. (2020). A work-life conflict perspective on telework. Transportation Research. Part A, Policy and Practice, 141, 51 - 68. DOI: 10.1016/j.tra.2020.09.007.

Downloads

Published

2023-07-28

How to Cite

dos Santos, A. M. B. T. V., Rita, L. P. S., Pinto Filho, J., & Bittencourt, I. M. (2023). Trabalho remoto e estrutura organizacional: estudo do caso do Ministério Público de Alagoas. International Journal of Scientific Management and Tourism, 9(4), 1972–1995. https://doi.org/10.55905/ijsmtv9n4-004

Issue

Section

Articles