‘Retrato de uma velha senhora’: a Contabilidade em Portugal nos séculos XVIII e XIX

Published 2023-10-27

  • Inês Carvalho
  • ,
  • Patrícia Almeida
  • ,
  • Miguel Gonçalves
  • ,
  • Cristina Góis


PDF

Keywords: história da contabilidade, Marquês de Pombal, século XVIII, século XIX, partidas dobradas

Abstract

O presente paper destina-se aos leitores que pretendam aprofundar e enriquecer os seus conhecimentos sobre a história da contabilidade portuguesa dos séculos XVIII e XIX, no que concerne à evolução do ensino, à importância das instituições, à contribuição da legislação e à relevância das publicações sobre contabilidade. A pesquisa realizou-se por intermédio de uma revisão da literatura, usando-se para o efeito o método bibliográfico. Adicionalmente, o artigo destaca a influência do Marquês de Pombal na implementação das partidas dobradas em Portugal no decurso da segunda metade do século XVIII.


References

  1. CARQUEJA, H. O. Entrada da contabilidade no ensino oficial e, depois, no ensino superior. Jornal do Técnico de Contas e da Empresa, n. 424, p. 362-4, 2001.
  2. DUARTE, C.; GONÇALVES, M.; GÓIS, C. A contabilidade e modelo de governo das companhias de comércio fundadas pelo Marquês de Pombal (século XVIII): o estado da questão. In: ENCUENTRO INTERNACIONAL DA AECA, 19., 2020a, Guarda, Portugal (17-18 set.), p. 1-23. Anais …
  3. DUARTE, C.; GONÇALVES, M.; GÓIS, C. ‘Sim, Senhor Ministro’: Os homens de negócio ao serviço do Marquês de Pombal na Junta do Comércio (1755-1788). De Computis (Revista Española de Historia de la Contabilidad – Spanish Journal of Accounting History), v. 12, n. 2, p. 43-59, 2020b.
  4. DUARTE, C.; LOPES, A. T.; GONÇALVES, M. Revisitação do ensino da contabilidade no século XIX em Portugal: uma síntese. Review of Business and Legal Sciences (Revista de Ciências Empresariais e Jurídicas), n. 28, p. 291-307, 2017.
  5. GONÇALVES, M. Escola de Comércio e memória histórica dos primeiros professores e estudantes de Contabilidade (Parte I). Revista da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, n. 127, p. 56-64, 2010a.
  6. GONÇALVES, M. Escola de Comércio e memória histórica dos primeiros professores e estudantes de Contabilidade (Parte II). Revista da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, n. 128, p. 47-54, 2010b.
  7. GONÇALVES, M. Entrada da contabilidade no ensino superior em Portugal (1884). Jornal de Contabilidade, n. 395, p. 41-2, 2010c.
  8. GONÇALVES, M. Bosquejo duma sucinta história da contabilidade em Portugal até à fundação da primeira escola de comércio e contabilidade (1759). Revista Universo Contábil, v. 6, n. 4, p. 89-103, 2010d.
  9. GONÇALVES, M. Aula de Comércio do Porto (1803): sua criação e confronto crítico com a correlativa Aula lisboeta. Contabilidade e Gestão (Portuguese Journal of Accounting and Management), n. 10, p, 115-163, 2011a.
  10. GONÇALVES, M. Apontamento sobre a contabilidade e educação em Portugal entre 1869 e 1918. Enfoque: Reflexão Contábil, v. 30, n. 3, p. 9-19, 2011b.
  11. GONÇALVES, M. E depois da Aula do Comércio, 1844? Digressão através do ensino da Contabilidade na Lisboa Oitocentista. Jornal de Contabilidade, n. 420, p. 87-100, 2012.
  12. GONÇALVES, M. Emergência e desenvolvimento da contabilidade por partidas dobradas. Traços gerais de um homem de negócios da praça de Lisboa: José Francisco da Cruz, tesoureiro-geral do Erário Régio português, 1761. Revista Portuguesa de Contabilidade, v. 3, n. 12, p. 669-696, 2013.
  13. GONÇALVES, M. Relação dos primeiros contabilistas formados em Portugal por via institucional (1759-1763: Aula do Comércio de Lisboa). De Computis (Revista Española de Historia de la Contabilidad – Spanish Journal of Accounting History), v. 13, n. 25, p. 91-111, 2016.
  14. GONÇALVES, M. Contribuição para a história da profissão contabilística em Portugal: o primeiro guarda-livros com diploma escolar (1771). De Computis (Revista Española de Historia de la Contabilidad – Spanish Journal of Accounting History), v. 14, n. 26, p. 27-58, 2017a.
  15. GONÇALVES, M. Pequena História de uma Escola de Contabilidade – a Aula do Comércio. Contributo para a História da Profissão de Contabilista e da Difusão das Partidas Dobradas em Portugal. Lisboa: Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade (APOTEC), 2017b.
  16. GONÇALVES, M. Contabilidade por partidas dobradas: história, importância e pedagogia (com especial referência à sua institucionalização em Portugal, 1755–1777). De Computis (Revista Española de Historia de la Contabilidad – Spanish Journal of Accounting History), v. 16, n. 2, p. 69-142, 2019.
  17. GONÇALVES, M. Sebenta da unidade curricular de Ética e Deontologia ministrada às licenciaturas de Contabilidade e Auditoria, Gestão de Empresas, e Contabilidade e Gestão Pública (1.º semestre do ano letivo 2020/2021 – 3.º ano). Disponível na biblioteca do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra (ISCAC), p. 1-419, 2021.
  18. GONÇALVES, M.; DUARTE, C.; GÓIS, C. ‘Sem livros não há instrução’: literatura contabilística portuguesa do século XVIII (identificação, novos dados e síntese). De Computis (Revista Española de Historia de la Contabilidad – Spanish Journal of Accounting History), v. 1, n. 1, p. 71-102, 2022.
  19. GONÇALVES, M.; LIRA, M.; MARQUES, M. C. Finanças públicas e contabilidade por partidas dobradas: uma visita guiada pela literatura sobre as três figuras cimeiras do Erário Régio Português, 1761. Revista Universo Contábil, v. 9, n. 2, p. 142-173, 2013.
  20. GONÇALVES, M.; LIRA, M.; MARQUES, M. C. Síntese cronológica sobre a contabilidade pública em Portugal, seu passado, presente e futuro (1222-2016): revisão da literatura. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, v. 5, n. 2, p. 121-143, 2017.
  21. GONÇALVES, M.; MARQUES, M. C. Da necessidade de criação do ensino de Contabilidade para o ofício de Guarda-Livros no Portugal de Setecentos. Jornal de Contabilidade, n. 404, p. 328-334, 2010.
  22. GONÇALVES, M.; MARQUES, M. C.; LIRA, M. Contabilidade e educação: a Academia Politécnica do Porto, 1837. Jornal de Contabilidade, n. 428/9, p. 331-335, 2012.
  23. GONÇALVES, M.; SIMÕES, M.; FERREIRA, R.; GÓIS, C. História da Contabilidade Portuguesa – O Século XX. Coimbra: Almedina, 2023.
  24. GUIMARÃES, J. C. História da Contabilidade em Portugal – Reflexões e Homenagens. Porto: Vida Económica, 2005.
  25. GUIMARÃES, J. C. Os primórdios das associações e das revistas de Contabilidade em Portugal. Revista da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, n. 78, p. 19-31, 2006.
  26. GUIMARÃES, J. C. História (breve) da regulamentação da profissão de contabilista em Portugal. Revista dos Técnicos Oficiais de Contas, n. 117, p. 30-43, 2009.
  27. PEREIRA, J. M. O Caixeiro e a Instrução Comercial no Porto Oitocentista – Percursos, Práticas e Contextos Profissionais. Porto: Universidade do Porto, Faculdade de Letras. Dissertação de Mestrado em História Contemporânea, 2001.
  28. PORTELA, A. F. A evolução histórica do ensino das Ciências Económicas em Portugal. Análise Social, v. 22-23-24, p. 787-836, 1968.
  29. RODRIGUES, L. L.; GOMES, D.; CRAIG, R. Aula do Comércio: primeiro estabelecimento de ensino técnico profissional oficialmente criado no mundo? Revista da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, n. 34, p. 46-54, 2003.
  30. RODRIGUES, L. L.; GOMES, D.; CRAIG, R. Corporativismo, Liberalismo e a profissão contabilística em Portugal desde 1755. Revista da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, n. 46, p. 24-39, 2004.
  31. RODRIGUES, M. B. Carta de Lei de 22 de Dezembro de 1761 sobre a extinção dos Contos e a criação do Real Erário. Revista de Contabilidade e Comércio, n. 226, p. 361-414, 2000a.
  32. RODRIGUES, M. B. Extinction of ‘Erário Régio’ in 1832 (the ancient Portuguese Exchequer). In: AECA (Org.). Accounting and History – a Selection of Papers Presented at the 8th World Congress of Accounting Historians. Madrid: Asociación Española de Contabilidad y Administración de Empresas (AECA), 2000b, p. 51-70.
  33. RODRIGUES, M. B. O Erário Régio e as Contas do Reino no ano de 1765 – o Poder e a Contabilidade. Lisboa: Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade (APOTEC), 2017.
  34. RODRIGUES, M. B. O Erário Régio – As Contas e o Poder (1762-1833). Lisboa: Edições MGI, 2022.
  35. SOUSA, F.; CONDE, M. F. Os tratados de contabilidade no Portugal Oitocentista (1800-1882. In: VAQUINHAS, I.; AMARO, A. R.; NUNES, J. P. A.; RODRIGUES, M. F. (Orgs.). História, Empresas, Arqueologia Industrial e Museologia. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2021, p. 111-132.
  36. SOUSA, F.; RODRIGUES, B.; AMORIM, P. Associações profissionais de contabilistas: das origens do movimento associativo às transformações operadas no Estado Novo. População e Sociedade, n. 30, p. 31-48, 2018.

How to Cite

Carvalho, I., Almeida, P., Gonçalves, M., & Góis, C. (2023). ‘Retrato de uma velha senhora’: a Contabilidade em Portugal nos séculos XVIII e XIX. International Journal of Scientific Management and Tourism, 9(6), 3543–3563. https://doi.org/10.55905/ijsmtv9n6-017

Download Citation

Current Issue


MOST READ LAST WEEK

Keywords