Excursão documental ao modelo de governo e à contabilidade financeira da companhia da fábrica das sedas (1734-1757)

Authors

  • Cecília Duarte
  • Miguel Gonçalves
  • Cristina Góis

DOI:

https://doi.org/10.55905/ijsmtv9n7-002

Keywords:

história da contabilidade, companhia da fábrica das sedas, modelo de governo, contabilidade financeira, partidas dobradas

Abstract

O estudo constitui um subsídio para a análise do modelo de governo e da contabilidade financeira da Companhia da Fábrica das Sedas, uma empresa têxtil privilegiada fundada em Lisboa, em 1734, por iniciativa de um empresário francês, Robert Godin. De 1734 a 1750, esta sociedade por ações registou três diferentes grupos no que respeita ao seu órgão de gestão: a administração responsável pelo período 1734 a 1745, a responsável pelo período 1745 a 1747 e a responsável pelo período 1747 a 1750. Em 1750, a gestão da Companhia da Fábrica das Sedas foi confiada, pelo Governo português, a um administrador lisboeta, Vasco Lourenço Veloso e, em 1757, deu-se a nacionalização da empresa, por deliberação de um Governo em que pontificava Sebastião José de Carvalho e Melo, futuro Marquês de Pombal. O presente trabalho aborda principalmente o período concernente à segunda administração da Companhia da Fábrica das Sedas (1745-1747), período durante o qual a empresa adotou as partidas dobradas como método de registo contabilístico A pesquisa privilegia uma metodologia qualitativa, para o que se usaram fontes primárias e secundárias de investigação. A principal conclusão do trabalho diz respeito ao facto de o modelo contabilístico empregado na Companhia da Fábrica das Sedas ser muito similar ao estipulado por Luca Pacioli (1494) no De Computis et Scripturis, a secção da Summa de Arithmetica, Geometria, Proportioni et Proportionalita dedicada à contabilidade por partidas dobradas.

References

ALMEIDA, L. F. A Fábrica das Sedas de Lisboa no tempo de D. João V. Revista Portuguesa de História, n. 45, p. 1-48, 1990.

BARRETO, J. Sebastião José de Carvalho e Melo – Escritos Económicos de Londres (1741-1742). Seleção, Leitura, Introdução e Notas de José Barreto. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1986.

CARQUEJA, H. O. Tradução de Hernâni O. Carqueja do Particularis de Computis et Scripturis. In: ENCONTRO DE HISTÓRIA DA CONTABILIDADE DA ORDEM DOS TÉCNICOS OFICIAIS DE CONTAS, 7., 2014, Lisboa, Portugal (28 Nov.), p. 81-157. Anais …

CARVALHO, J. M. From traditional accounting history to digital accounting history: an eighteenth century double-entry bookkeeping system represented in spreadsheet databases. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE E AUDITORIA, 16., 2017, Aveiro, Portugal (12-13 Out.), p. 1-28. Anais …

CARVALHO, J. M. O sistema de escrituração de carga e descarga da primeira administração da Companhia da Fábrica das Sedas (1734–1745). In: BRANDÃO, M. F. (Org.). A História da Contabilidade dos Inícios do Século XVIII a 1926. Lisboa/Porto: Ordem dos Contabilistas Certificados/CEPESE, no prelo.

CARVALHO, J. M.; COCHICHO, J. A. C.; RODRIGUES, M. J. B.; PAIXÃO, J. C. (2016). Alguns aspectos da contabilidade de manufacturas portuguesas no século XVIII: o caso da Companhia da Fábrica das Sedas – 2.ª administração (1745-1747). Boletim do Centro de Estudos de História da Contabilidade, n. 66, p. 1-12.

CARVALHO, J. M.; RODRIGUES, L. L.; CRAIG, R. Early cost accounting practises and private ownership: the Silk Factory Company of Portugal, 1745-1747. The Accounting Historians Journal, v. 34, n. 1, p. 57-89, 2007.

CORREIA, F. A. (1930). História Económica de Portugal (vol. 2). Lisboa: Imprensa Nacional de Publicidade, 1930.

FARIA, A. R. Relevância, conteúdo e metodologia da investigação histórica em contabilidade. Revista de Contabilidade e Comércio, n. 237, p. 185-224, 2006.

GODIN, R. Memorial de Robert Godin ao príncipe D. José sobre a história e a situação económica e financeira da fábrica das sedas. In: ALMEIDA, L. F. (1990) (Org.), A Fábrica das Sedas de Lisboa no tempo de D. João V. Revista Portuguesa de História, n. 25, p. 39-46, 1749.

GOMES, D.; RODRIGUES, L. L. Investigação em história da contabilidade. In: MAJOR, M. J.; VIEIRA, R. (Orgs.). Contabilidade e Controlo de Gestão - Teoria, Metodologia e Prática. Lisboa: Escolar Editora, 2009, p. 209-239.

GONÇALVES, M. Pequena História de uma Escola de Contabilidade – a Aula do Comércio. Contribuição para a História da Profissão de Contabilista e da Difusão das Partidas Dobradas em Portugal. Lisboa: Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade (APOTEC), 2017.

GONÇALVES, M. Contabilidade por partidas dobradas: história, importância e pedagogia (com especial referência à sua institucionalização em Portugal, 1755–1777). De Computis: Revista Española de Historia de la Contabilidad, v. 16, n. 2, p. 69-142, 2019.

GONÇALVES, M.; DUARTE, C.; GÓIS, C. Uma questão de orgulho para a profissão: os primeiros contabilistas certificados em Portugal (1770). Revista Contabilista, n. 267, p. 68-74, 2022.

GONÇALVES, M.; LIRA, M.; MARQUES, M. C. Finanças públicas e contabilidade por partidas dobradas: uma visita guiada pela literatura sobre as três figuras cimeiras do Erário Régio Português, 1761. Revista Universo Contábil, v. 9, n. 2, p. 142- 173, 2013.

GONÇALVES, M.; LIRA, M.; MARQUES, M. C. Síntese cronológica sobre a contabilidade pública em Portugal, seu passado, presente e futuro (1222-2016): revisão da literatura. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, v. 5, n. 2, p. 121-143, 2017.

GUIMARÃES, J. C. História da Contabilidade em Portugal – Reflexões e Homenagens. Lisboa: Áreas Editora, 2005.

HENRIQUES, A. C.; OLIVEIRA, J. M. O livro de razão dos contratadores do tabaco (1722-1724). População e Sociedade, n. 20, p. 15-30, 2018.

LUZ, A. F. A Real Fábrica das Sedas de Lisboa – Administração, Política Econômica e Comércio no Atlântico Sul (1734-1777). Porto Alegre: Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Tese de Doutoramento em História, 2018.

MACEDO, J. B. O pensamento económico do Cardeal da Mota: contribuição para o seu estudo. Revista da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, n. 4, p. 89-97, 1960.

MACEDO, J. B. Problemas de História da Indústria Portuguesa no Século XVIII (2.ª ed.). Lisboa: Querco, 1982.

MARCOS, R. As Companhias Pombalinas – Contributo para a História das Sociedades por Acções em Portugal. Coimbra: Almedina, 1997.

MOREIRA, A. O regimento secretíssimo da Real Fábrica das Sedas (1757). Subsídios para a história da sericultura em Portugal. Revista da Biblioteca Nacional, v. 3, n. 1 e 2, p. 75-104, 1983.

MOTA, C. [Cardeal da]. Parecer do Cardeal da Mota sobre a instalação em Lisboa de uma manufactura de Sedas. In: MACEDO, J. B. (1960) (Org.). O pensamento económico do Cardeal da Mota: contribuição para o seu estudo. Revista da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, n. 4, 1734, p. 89-97.

POMBAL, M. [Marquês de]. Carta de Ofício a Marco António de Azevedo Coutinho, em 24 de setembro de 1741. In: BARRETO, J. (1986) (Org.). Sebastião José de Carvalho e Melo – Escritos Económicos de Londres (1741-1742). Seleção, leitura, introdução e notas de José Barreto. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1741, p. 127-130.

RODRIGUES, M. F. Política industrial e indústria no Antigo Regime. In: RODRIGUES, M. F.; MENDES, J. M. A. (Orgs.). História da Indústria Portuguesa – da Idade Média aos Nossos Dias. Mem Martins: Publicações Europa-América, 1999, p. 119-177.

SILVA, F. V. G. Bosquejo duma sucinta história da contabilidade em Portugal. Revista de Contabilidade e Comércio, n. 187 a 192, p. 503-514, 1984.

Downloads

Published

2023-11-21

How to Cite

Duarte, C., Gonçalves, M., & Góis, C. (2023). Excursão documental ao modelo de governo e à contabilidade financeira da companhia da fábrica das sedas (1734-1757). International Journal of Scientific Management and Tourism, 9(7), 3923–3949. https://doi.org/10.55905/ijsmtv9n7-002

Issue

Section

Articles