Um estudo sobre cooperativismo, administração e desenvolvimento: prioridades para a sustentabilidade

Authors

  • Pedro Luís Büttenbender
  • Alceu Van Der Sand
  • Ariosto Sparemberger

DOI:

https://doi.org/10.55905/ijsmtv9n7-007

Keywords:

cooperativismo, administração, governança cooperativa, desenvolvimento, sustentabilidade

Abstract

Este artigo aborda o cooperativismo, a administração e o desenvolvimento a partir da perspectiva das ciências sociais aplicadas através do qual esta abordagem tem ampliado a sua importância e relevância frente aos avanços das organizações com esta tipologia organizacional no âmbito dos seus aportes ao desenvolvimento. Portanto o objetivo deste artigo explora os fundamentos das dimensões do cooperativismo, processos de administração, governança cooperativa e seus aportes a dinâmica do desenvolvimento de territórios, orientados pelos desafios e prioridades assumidos pelo cooperativismo para a sua sustentabilidade futura. Os objetivos específicos delimitados em: a) fundamentar e delimitar conceitualmente o cooperativismo e a tipologia das organizações cooperativas; b) dimensionar quantitativa e qualitativamente as organizações cooperativismo nos âmbitos estadual e nacional e algumas dimensões internacionais; c) mapear e descrever priorizações assumidas pelo cooperativismo através de órgãos de representação e organismos de pesquisa, fomento e apoio; d) indicar proposições estratégicas que contribuam com o desenvolvimento do cooperativismo, sua sustentabilidade futura e ampliando seus aportes aos processos de desenvolvimento humano e territorial. A pesquisa metodologicamente é fundamentada quanto aos fins como estudo exploratório, descritivo e de campo, e quanto aos meios, de natureza quali-quantitativa, bibliográfica, documental e participante. A análise e sistematização dos dados foi orientada pelos fundamentos conceituais, conteúdos coletados e os objetivos delimitados na pesquisa. O cooperativismo, pela sua própria natureza e funcionamento, fundamentos, princípios, valores, crenças, legislação e segmentos, se constitui em movimento, estratégia, instrumento e estrutura de promoção da inclusão social e econômica, tem investido na qualificação de seus quadros dirigentes e de gestão, aprimorando as tecnologias e métodos de gestão e governança com vistas a sustentabilidade, e, por fim, está ampliando seus aportes na promoção da inclusão, da justiça social, da democracia, da participação e da agregação de valor econômico e social aos seus membros e a promoção do desenvolvimento territorial.

References

ACI – Américas. Declaración final V Cumbre Cooperativa de las Américas El Cooperativismo en la hora de los desafíos globales. Buenos Aires, AR. 1.12.2018. http://www.aciamericas.coop/IMG/pdf/declaracionvcumbre.pdf Acessado: 12.03.2019.

ACI. World Cooperative Monitor 2018. Aliança Cooperativa Internacional. https://monitor.coop/en Acessado em 01.05.2019.

ALVAREZ, Juan F. e Outros. Anuario Iberoamericano de la Economía Social. Nº3-2018. www.oibescoop.org. CIRIEC-España, Centro Internacional de Investigación e Información sobre la Economía Pública, social y cooperativa. Valencia, ES. 2018.

BRASIL. Define a Política Nacional de Cooperativismo, institui o regime jurídico das sociedades cooperativas, e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5764.htm Acessado em 01.05.2019.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 1988. Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2016.

BÜTTENBENDER, Pedro Luís. Governança. In: Dicionário de Desenvolvimento Regional e Temas Correlatos. Porto Alegre RS: Ed. Conceito, 2017.

BÜTTENBENDER, Pedro Luís. Gestão de Cooperativas. Fundamentos, Estudos e Práticas. Ijuí/RS. Ed. Unijuí, 2011.

BÜTTENBENDER, Pedro Luís. Cooperativismo na Região Nordeste do Rio Grande do Sul: experiências de gestão cooperativa e de promoção do desenvolvimento. Porto Alegre/RS : Editora Sescoop/RS, 2010a.

BÜTTENBENDER, Pedro Luís. Arranjos institucionais, Cooperação e Desenvolvimento. Redes econômicas, tecnológicas e sociais, sementes do desenvolvimento e agregação de valor. Ijuí/RS : Unijuí, 2010b.

BÜTTENBENDER, Pedro Luís. Integração do Associativismo. Cadernos Cedope Unisinos, Ano 06. nº 12, Editora UNISINOS, São Leopoldo. 1994.

BÜTTENBENDER, Pedro L.; NICKEL, Karin e outros. Estruturas de governança corporativa em cooperativas e repercussões no âmbito territorial: o caso de uma cooperativa de crédito. In: Anais VIII SIDR, 2017, Santa Cruz do Sul. UNISC, 2017a.

BÜTTENBENDER, Pedro Luís e Outros. As organizações cooperativas e diferentes aportes ao desenvolvimento regional e territorial. Regiões com ativa atuação de cooperativas são territórios mais desenvolvidos In: Anais III Encuentro Internacional de Investigadores. 22 a 24.06.2017. UNAE-CONACIT. Encarnación Py: Universidad Autónoma de Encarnación, 2017.

BÜTTENBENDER, Pedro L; ROTTA, Edemar; HOFLER, Cláudio E. O cooperativismo inserido na evolução e no desenvolvimento da Região Fronteira Noroeste. In: Cooperativismo na Região Nordeste do Rio Grande do Sul: experiências de gestão cooperativa e de promoção do desenvolvimento. Porto Alegre, RS: Editora Sescoop, 2010.

BÜTTENBENDER, Pedro Luís; MAGRI, C. A. Fundamentos do Cooperativismo: Evolução, Histórico e Perspectivas. Francisco Beltrão, PR : Grafisul, 2018.

CNES. Conselho Nacional de Economia Solidária. 1º Plano Nacional De Economia Solidária (2015- 2019). Brasília/DF. 2015. http://www.unisolbrasil.org.br/2015/wp-content/uploads/2015/06/plano_nacional_de_ecosol_12062015_com_capa.pdf Acessado em 22.12.2018.

CRESOL. O maior sistema de cooperativas de crédito rural solidário do Brasil https://www.cresol.com.br/site/conheca-a-cresol/ acessado em 01.05.2019

IICA. Cooperação técnica é chave para o desenvolvimento sustentável do cooperativismo das Américas. Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura. http://www.iica.int/es Acessado em 01.05.2019.

LAKATOS, Eva M.; MARCONI, Marina de A. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MASY, Rafael Carbonell de. Estrategia de desarrollo rural en los pueblos guaraníes (1609-1767). Barcelona. Instituto de Cooperación Iberoamericana E.A. Bosch. 1992.

OCB. Anuário do Cooperativismo Brasileiro. Organização das Cooperativas Brasileiras. Brasília/DF. 2019a.

OCB. Diretrizes do XIV Congresso Brasileiro de Cooperativismo. Organização das Cooperativas Brasileiras. 8 a 10.05.2019. Brasília./DF. 2019b.

OCERGS-SESCOOP/RS. Expressão do Cooperativismo Gaúcho. Porto Alegre/RS. Ed. Sescoop. 2019.

OCERGS-SESCOOP/RS. Relatório do 18º Seminário Gaúcho de Cooperativismo. Bento Gonçalvez. 8 e 9.11.2019. Sescoop/RS. 2018.

SCHMIDT, Derli e PERIUS, Vergílio. Cooperativismo e Cooperativa. In: CATTANI, Antonio David et al. A Outra Economia. Porto Alegre: Veraz Editores, 2003 p. 63-71.

SCHNEIDER, José O. Democracia, participação e Autonomia Cooperativa. 2. ed. São Leopoldo: UNISINOS, 1999.

UNICAFES Nacional. Programa de Educação do Cooperativismo Solidário (PECSOL). Modelo de Gestão do cooperativismo solidário – Participação e controle social. Sescoop/Unicafes, Brasília/DF, 2018.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Downloads

Published

2023-11-28

How to Cite

Büttenbender, P. L., Sand, A. V. D., & Sparemberger, A. (2023). Um estudo sobre cooperativismo, administração e desenvolvimento: prioridades para a sustentabilidade. International Journal of Scientific Management and Tourism, 9(7), 4033–4054. https://doi.org/10.55905/ijsmtv9n7-007

Issue

Section

Articles