Regionalização de áreas suscetíveis à chuva persistente, extrema e abrangente no período 1986-2016 em Santa Catarina, Brasil

Published 2024-05-03

  • Raidel Báez Prieto
  • ,
  • Francisco Henrique de Oliveira
  • ,
  • Carla Corrêa Prieto
  • ,
  • Raul León Báez Olazábal
  • ,
  • Doris Vivian Prieto Valdés
  • ,
  • Renan Furlan de Oliveira
  • ,
  • Raul Báez Prieto
  • ,
  • Renan Ferreira Renzo


PDF (Português (Brasil))

Keywords: estatística aplicada, ordenamento territorial, mapeamento de áreas suscetíveis, desenvolvimento sustentável

Abstract

A chuva extrema causa diversos impactos negativos à sociedade deixando sinais claros das áreas suscetíveis aos desastres. O objetivo principal desta pesquisa é estudar os even-tos extremos de chuva persistente e abrangente nas cidades do estado de Santa Catarina (SC) entre os anos 1986-2016. Com uso de álgebra de mapas foi desenvolvida uma me-todologia, baseada na modelagem conceitual e validada por meio de uma aplicação prá-tica. Resultados demonstram que as regiões em Santa Catarina que sofrem com maior frequência e intensidade de chuvas persistentes extremas encontram-se no litoral e no meio oeste do estado, como por exemplo Florianópolis, Itajaí e Campos Novos. No oeste catarinense verifica-se uma diminuição quanto à tendência e número de eventos nos úl-timos 31 anos, assim como, de seus acumulados totais. A cidade declarada como a mais suscetível aos eventos extremos de chuva persistente foi Itajaí, região que registrou os maiores danos históricos.


References

  1. ARCGIS PRO. How Spline works. Disponível em: https://pro.arcgis.com/en/pro-app/latest/tool-reference/3d-analyst/how-spline-works.htm. Acesso em: 18 set. 2021.
  2. ARCMAP. Ejecución de herramientas en Álgebra de mapas. Disponível em: https://desktop.arcgis.com/es/arcmap/latest/extensions/spatial-analyst/map-algebra/executing-tools-in-map-algebra.htm. Acesso em: 14 set. 2021.
  3. BRASIL, Lei 12.608, de 10 de abril de 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12608.htm. Acesso em: 01 fev. 2022.
  4. GRIMM, A. M. Clima da Região Sul do Brasil. In: CAVALCANTI, I. F. A.; FERREIRA, N. J.; JUSTI DA SILVA, M. G. A.; SILVA DIAS, M. A. F. Tempo e clima no Brasil. SP.: Ed. Oficina de Textos, 2009. p. 259-274.
  5. PRIETO, R. B.; OLIVEIRA, F. H.; TEIXEIRA, M. S. Climatological analysis of persistent, extreme and broad rainfall cases between 1986-2016 in Santa Catarina, Brasil. CIÊNCIA E NATURA, v. 42, p. 107-108, 2020.
  6. SILVEIRA R. B.; BITENCOURT V. J. B.; ALVES M. P. A.; FRANKE A. E. Distribuição das Chuvas nos Casos de Eventos Extremos no Município de Itapoá/SC. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE REDUÇÃO DE RISCOS DE DESASTRES: “GESTÃO INTEGRADA EM RRD NO BRASIL E O MARCO DE SENDAI”, 1, 2016, Curitiba, Anais... Curitiba, Paraná, Brasil, 2016. P. 10- 21.
  7. SISTEMA Integrado de Informações sobre Desastres (S2ID). Disponível em: http://s2id.mi.gov.br. Acesso em 20 ago. 2019.
  8. UNISDR, A Estratégia Internacional para Redução de Desastres da ONU. Reporte anual 2018. Disponível em: https://reliefweb.int/report/world/unisdr-annual-report-2018. Acesso em 15 jul. 2019.

How to Cite

Prieto, R. B., Oliveira, F. H. de, Prieto, C. C., Olazábal, R. L. B., Valdés, D. V. P., Oliveira, R. F. de, Prieto, R. B., & Renzo, R. F. (2024). Regionalização de áreas suscetíveis à chuva persistente, extrema e abrangente no período 1986-2016 em Santa Catarina, Brasil. International Journal of Scientific Management and Tourism, 10(3), e890. https://doi.org/10.55905/ijsmtv10n3-003

Download Citation

Current Issue


MOST READ LAST WEEK

Keywords