Produção responsável e combate às alterações climáticas: como empresas de moda têm atuado

Published 2024-05-20

  • Jéssica Alves da Motta
  • ,
  • Ricardo Ribeiro Alves
  • ,
  • Ana Júlia Teixeira Senna Sarmento Barata


PDF (Português (Brasil))

Keywords: moda, produção, consumo, mudança climática, sustentabilidade

Abstract

A indústria da moda tem se mostrado altamente poluente, assim as empresas estão sendo desafiadas a adotarem ações mais sustentáveis em suas cadeias produtivas. Nesse sentido este estudo buscou verificar o desempenho de empresas de moda do Sul do Brasil em relação a incorporação de ações que assegurem o consumo e a produção responsáveis e o combate às alterações climáticas, bem como, identificar a divulgação de ações neste âmbito. O estudo adota uma abordagem quanti-qualitativa, de caráter descritivo. Quanto ao método optou-se pelo tipo Survey, para a parte quantitativa e para a parte qualitativa utilizou-se a pesquisa de estratégia documental. A amostragem seguiu o critério não probabilístico por julgamento, selecionando empresas de uma das principais regiões produtoras de moda do Brasil. A técnica de coleta de dados quantitativos foi o questionário, instrumento elaborado com 16 questões, sendo 03 questões abertas, referentes ao perfil das empresas e 13 questões afirmativas, medidas em uma escala likert. Os dados qualitativos foram coletados nos sites das instituições da amostra, e incluíram todas as notícias publicadas entre janeiro de 2019 e novembro de 2023. Os dados quantitativos foram tratados por meio da estatística descritiva e os dados qualitativos foram tratados por meio da análise conteúdo. Como resultado se verificou que as empresas possuem um desempenho insatisfatório, pois não adotam com frequência ações sustentáveis. Além disso, há pouca divulgação sobre práticas de sustentabilidade. O desempenho negativo é preocupante porque mudanças nos sistemas produtivos são urgentes já que os níveis de poluição no planeta têm aumentado rapidamente.


References

  1. ALLWOOD, J. M.; LAURSEN, S. E.; RODRÍGUEZ, C. M.; BOCKEN, N. M. P. (2006). Well dressed? The present and future sustainability of clothing and textiles in the United Kingdom. Cambridge, United Kingdom: University of Cambridge, Institute for Manufacturing, 2006, 84 p.
  2. ALYRIO, R. D. Métodos e técnicas de pesquisa em administração. Edição única. Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ, 2009.
  3. APPOLINÁRIO, F. Dicionário de metodologia científica: um guia para a produção do conhecimento científico. São Paulo: Atlas, 2009.
  4. ABIT. O perfil do setor. Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção. São Paulo: fev., 2020.
  5. BEH, L. S.; GHOBADIAN, A. H. E. Q.; GALLEAR, D.; O'REGAN, N. Second life retailing: a reverse supply chain perspective. Supply Chain Management: Na International Journal, 21(2), 259-272, 2016.
  6. BERLIM, L. Moda e sustentabilidade: Uma reflexão necessária. 2º ed. São Paulo: Estação das letras e cores, 2016.
  7. BRASIL. Lei n° 12.305, de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 03 ago. 2010.
  8. CAI, Y. J.; CHOI, T. M. A United Nations’ Sustainable Development Goals perspective for sustainable textile and apparel supply chain management. Transportation Research, 141,1-21, 2020.
  9. CNI e ABIT. (2017). O setor têxtil e de confecção e os desafios da sustentabilidade. Brasília e São Paulo, Brasil: CNI e ABIT, 2017. 108 p.
  10. CORREIA, J.; MARANGONI, C.; DAL FORNO, A. J.; VALLE, J. A. B. (2016). Diagnóstico da produção de resíduos da indústria da confecção na região de Blumenau. In: CONGRESSO CIENTÍFICO TÊXTIL E MODA, 4., 2016, Blumenau. Anais do Congresso Científico Têxtil e Moda. Blumenau, Santa Catarina: UFSC, 2016, p. 1-10.
  11. DISSANAYAKE, D. G. K.; SINHA, P. Sustainable waste management strategies in the fashion industry sector. International Journal of Environment Sustainability, 8 (1), 77-90., 2012.
  12. FASHION REVOLUTION (2019). Índice de transparência da moda Brasil 2019. London, England: Fashion Revolution, 2019. 93 p.
  13. FASHION UNITED. Global fashion industry statistics. International apparel. Fashion United. Amsterdam, Netherlands, 2020.
  14. FERNANDES, L. M. A.; CASTILLO, L. A. G. (2018). Moda e sustentabilidade: uma perspectiva da moda sustentável no discurso jornalístico. In: COLÓQUIO DE MODA, 14., 2018, Curitiba, Paraná. Anais do Colóquio de Moda. Curitiba, Paraná: PUC, 2018. p. 1-10.
  15. FERREIRA, L. T. Reutilização de tecidos na cadeia de produção e logística reversa em uma indústria de lingerie no estado do Ceará. Científica DR: Revista Científica da Faculdade Darcy Ribeiro, 3, 71-81, 2012.
  16. FIRMO, F. S. (2014) Zero waste (resíduo zero): uma abordagem sustentável para confecção de vestimentas. In: Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento de Design, 11. 2014, Gramado. Anais do Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento de Design. Gramado, Rio Grande do Su: UFRGS, 2014. p.1-13.
  17. FLETCHER, K. Slow fashion. The Ecologist. Inglaterra: Devon, 01 jun., 2007.
  18. FLETCHER, K; GROSE, L. Moda e Sustentabilidade:Design para a mudança. São Paulo: Senac São Paulo, 2011.
  19. GALATTI, L. G.; RAMOS, J. B. Brazilian potential for circular fashion throughs treng thening local production. Applied Sciences, 1 (1439), 1-10, 2019.
  20. HAN, S. L. C.; CHAN, P. Y. L.; VENKATRAMAN, P.; APEAGYEI, P.; CASSIDY, T. D.; TYLER, D. Standard vs. Upcycled: fashion design and production. Fashion Practice, 9 (1), 69-94, 2017.
  21. KARAOSMAN, H.; ALONSO, G. M.; BRUN, A. From a Systematic Literature Review to a Classification Framework: Sustainability Integration in Fashion Operations. Sustainability, 9 (30), 1-19, 2017.
  22. LASCHUK, T.; RUTHSCHILLING, E. A. (2014). A evolução da indústria têxtil do rio grande do sul sob o ponto de vista técnico, tecnológico e mercadológico. In: COLÓQUIO DE MODA, 10., 2014, Caxias do Sul, Rio Grande do Sul. Anais do Colóquio de Moda. Caxias do Sul, Rio Grande do Sul: UCS, 2014. p. 1-12.
  23. MCKINSEY & COMPANY (2019). The state of fashion 2019. London, England: Mckinsey & Company, 2018. 108 p.
  24. MCQUILLAN, H. Hybrid zero waste design practices: Zero waste pattern cutting for composite garment weaving and its implications, The Design Journal, 22, 803-819, 2019.
  25. NISHIMURA, M. D. L.; GONTIJO, L. A. (2016). Slowfashion e o produto de moda com enfoque no usuário. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM DESIGN, 12., 2016, Belo Horizonte, Minas Gerais. Anais do Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. Belo Horizonte, Minas Gerais: UEMG, 2016. p. 1-9.
  26. PEREZ, I. U.; BARRETO, S. M. Prevenção do desperdício no setor de vestuário e moda: inovação no processo de design. ModaPalavra e-periódico, 12, 36-60, 2013.
  27. PICCININI, V. C.; OLIVEIRA, S. R.; FONTOURA, D. S. Setor têxtil-vestuário do Rio Grande do Sul: impactos da inovação e da flexibilização do trabalho. Ensaios FEE, 27 (2), 355-376, 2006.
  28. PIRES, D. X.; CALDAS, E. D.; RECENA, M. C. P. Intoxicações provocadas por agrotóxico de uso agrícola na microrregião de Dourados, Mato Grosso do Sul, Brasil, no período de 1992 a 2002. Cadernos de Saúde Pública, 21 (3), 804-814, 2005.
  29. QUANTIS (2018). Measuring fashion. Environmental impact of the global apparel and footwear industries study. Zurich, Switzerland: Quantis, 2018. 65 p.
  30. RAZZAQ, A.; ANSARI, N.Y.; RAZZAQ, Z.; AWAN, H.M. The impact of fashion in volvement and pro-environmental attitude on sustainable clothing consumption: The moderating role of Islamic religiosity. Sustainable Marketing, 2, 1–17, 2018.
  31. SCHERER, A.L.F.; CAMPOS, S.H. A competitividade da cadeia produtiva têxtil-vestuário do Rio Grande do Sul. Indicadores Econômicos FEE, 24 (2), 185 – 208, 1996.
  32. SEBRAE e DIEESE (2013). Anuário do trabalho na micro e pequena empresa. 6. ed. Brasília, Distrito Federal, 2013. 288 p.
  33. SUBIC, A.; SHABANI, B.; HEDAYATI, M.; CROSSIN, E. Capability Framework for Sustainable Manufacturing of Sports Apparel and Footwear. Sustainability, 4 (9), 2127-2145, 2012.
  34. SUNDARAKANI, B.; SOUZA, R.; GOH, M.; WAGNER, S.M.; MANIKANDAN, S. Modeling carbon footprint sacross the supply chain. International Journal of Production Economics, 128 (1), 43-50, 2010.
  35. THE FIBER YEAR (2017). World survey on textiles and nonwovens. Speicher, Switzerland: The Fiber Year, 2017. 402 p.

How to Cite

Motta, J. A. da, Alves, R. R., & Barata, A. J. T. S. S. (2024). Produção responsável e combate às alterações climáticas: como empresas de moda têm atuado. International Journal of Scientific Management and Tourism, 10(3), e920. https://doi.org/10.55905/ijsmtv10n3-014

Download Citation

Current Issue


MOST READ LAST WEEK

Keywords